“O sítio em vista”, Luiza Neto Jorge

SUGESTÕES DE LEITURA

“Trazem as árvores insignificantes /

o maior distúrbio aos ventos; arredam-nos,/

alçam outros armazéns sonoros/

casas de relâmpagos e de cataclismos./

Chega-se. Parte-se. Segreda-se/

de seres indeterminados que movem /

resistência. Pelejam mais./

E quando a sua pele se usa vence/

a moda, mudança de uma árvore para a mundanal/

outra árvore carregada./

Podem aliás irromper quentes florestas./

Abate-se sobre o lenhador a opulência, o triunfo/

do fruto desenvolvido no seu trono/

iluminado por quatro archotes de seiva.

.

Há no mundo inteiro uma, quando muito, rua/

difícil de encontrar. “

– – Luiza Neto Jorge, in “O sítio em vista”, Poesia. Assírio & Alvim, 2001, 2º Edição

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s