“Mel”, os sonhos não se espalham, assim, por aí.

CINEMA

Saí esta tarde da exibição de “Mel”, no Campo Alegre, com a floresta turca ainda a tocar nos ouvidos, quando me apercebi que de o filme de Semih Kaplanoglu não tem banda sonora.

O que se ouve? Os sons familiares de uma massa de bolo a ser batida na cozinha, uma lareira acesa junto à cama, uma maçã a ser partilhada, um lápis a riscar esses no caderno da escola, um gaguejo que, finalmente, recebe palmas. O estalar do tronco de uma árvore. O sussurro dos sonhos – é que os sonhos não se espalham, assim, por aí.

Neste universo desacelerado com simplicidade, não perde nem a narrativa, nem a atmosfera.

E quando Yusef mergulha na água do balde a tentar agarrar o reflexo da lua, parece que está a apanhá-la para nós. Já diziam as personagens do L’Atalante, do Jean Vigo, que quem mete a cabeça debaixo de água e abre os olhos vê aí a pessoa amada. Ou o céu.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s