Hoje, a Revista Sítio publica um poema inédito meu, dedicado ao MAP

SUGESTÕES DE LEITURA

poema minês castanheira "se as noites existem" revista sítio

Toda a gente sabe que quem nasceu nos anos 80

SEDIMENTO DE PALAVRAS

LizOrton3e não numa manta de retalhos a 16:9, enrolou muita fita de cassete com o mindinho. E, cá dentro, não faz print screen, faz rec. Toda a gente sabe.

– 20th Century Photochroms by Liz Orton.

Toda a gente sabe que este homem

SEDIMENTO DE PALAVRAS

dielampephoto4

anda a tentar dizer qualquer coisa. Mas não pode, porque tem um abajour na cabeça. Toda a gente sabe.

– A história do Mysterious Lampshade Man aqui.

Toda a gente sabe que se escreve

SEDIMENTO DE PALAVRAS

anjabuhrerdreamedsoulsstreet1

mais para ultrapassar a vida do que a morte. Toda a gente sabe.

– ver o trabalho de Anja Bührer.

Toda a gente sabe que não se pode estar

SEDIMENTO DE PALAVRAS

american gothicem dois sítios ao mesmo tempo. Sobretudo, se se tratarem de diferentes partes de nós. Toda a gente sabe.

– Grant Wood

Toda a gente sabe que se existisse um museu de nuvens

SEDIMENTO DE PALAVRAS

Museum-of-Clouds_905_905

seria quase impossível entrar. Toda a gente sabe.

– desenhos de Konstantin Kalynovych

Toda a gente sabe que o que é importante

SEDIMENTO DE PALAVRAS

jadmelkiwarmthoflove1é para guardar debaixo do colchão. Toda a gente sabe.

– instalação de Jad Melki.

Toda a gente sabe que as ideias

SEDIMENTO DE PALAVRAS

fotografia de Joy St Clairesecam mais depressa ao sol do que os cabelos. Toda a gente sabe.

– fotografia de Joy St Claire.

Toda a gente sabe que isto não é bem

SEDIMENTO DE PALAVRAS

evolstreetart12como nas casinhas de bonecas, mas só porque andámos a ensaiar em protótipos muito diferentes da realidade. Toda a gente sabe. A Barbie incluída.

– trabalho de Evol.

Toda a gente sabe que, tantas vezes, é melhor

SEDIMENTO DE PALAVRAS

AlexisMire1estar dentro do que se pensa do que pensar out of the box. Toda a gente sabe.

– trabalho de Alexis Mire.

Toda a gente sabe que ler

SEDIMENTO DE PALAVRAS

sarahtrumbauerpapercuts1é um verbo rendilhado, cuja arte é transmitida de geração para geração. Toda a gente sabe.

– trabalho de Sarah Trumbauer.

Familiy history in pictures, what we choose to hide.

SUGESTÕES DE LEITURA

Reginald Langdon-Down with his children“The historian Deborah Cohen has been delving into unseen archives to examine how attitudes to privacy have changed over the last 200 years, to explore what families have tried to hide and why. Here she charts the shifting continents of shame with portraits of lives shaped by untold stories.”

– ler o artigo completo no The Guardian.

“Gentlemen, I, Sergei Rachmaninoff, have just heard myself play.”

SUGESTÕES DE LEITURA

220px-Sergei_Rachmaninoff_LOC_33968_Cropped

When he made his first recording at the Ampico studio in New York, he was pleasantly surprised when he heard the playback. “Gentlemen,” he reportedly said, “I, Sergei Rachmaninoff, have just heard myself play.”

– Ler o artigo completo aqui.

Toda a gente sabe que 8 gorilas

SEDIMENTO DE PALAVRAS

http://www.flickr.com/photos/marcusmb/podiam fazer-nos voar. Mas era preciso muito treino. Toda a gente sabe.

– fotografia de Marcus Moller.

Toda a gente sabe que parte do que tu és

SEDIMENTO DE PALAVRAS

Carra Sykesé memória que não é tua mas que te pertence. Como ela. Toda a gente sabe.

– trabalho de Carra Sykes.

Toda a gente sabe que se apanhas uma nuvem

SEDIMENTO DE PALAVRAS

LaurentMilletela te persegue até te fazer chover. Toda a gente sabe.

– trabalho de Laurent Millet.

Toda a gente sabe que entre a Vida

SEDIMENTO DE PALAVRAS

Laurent Laveder

e a Arte há sempre uma moldura. Toda a gente sabe.

– fotografia de Laurent Laveder aqui.