Apresentação do livro “Exortação aos poetas”

APRESENTAÇÕES DE LIVROS, OUTROS, SUGESTÕES DE LEITURA

Na próxima quinta-feira, pelas 17h30, vou estar por aqui para apresentar a obra “‘Exortação aos Poetas’ (dois discursos de Vasco Gonçalves)“. São todos bem-vindos!

f34fa356-c6bc-475c-88dc-ddc1952b271a

Cadernos de Poesia da V Bienal de Poesia de Silves/ TEIA, CASA-MUSEU JOÃO DE DEUS. 2015

INTERVENÇÕES, OUTROS

Hoje, a Revista Sítio publica um poema inédito meu, dedicado ao MAP

SUGESTÕES DE LEITURA

poema minês castanheira "se as noites existem" revista sítio

“poema casa”, pela voz da sofia lemos e pela guitarra da mafalda lemos

APRESENTAÇÕES DE LIVROS

imagens da apresentação de “nunca o mar”, em barcelos

APRESENTAÇÕES DE LIVROS

sobre a apresentação de “nunca o mar” na gareporto, no passado sábado

APRESENTAÇÕES DE LIVROS, MÚSICA, TEATRO/ PERFORMANCE

Todas as imagens da apresentação de “Nunca o Mar” na sessão de “Reparações poéticas e outros arranjos” que se realizou na Gareporto, no passado sábado, podem ser vistas aqui. O JPN fez um pequeno artigo sobre esse final de tarde. Há também uma entrevista minha na Antena1, que passou na segunda-feira, sobre o novo livro para ouvir aqui.

o que é que acontece quando três artistas pegam num livro de poemas e o tornam grande?

EXPOSIÇÕES, TEATRO/ PERFORMANCE

– imagens do inter.

” will it come without warning, Just as I’m picking my nose?”

SUGESTÕES DE LEITURA

“(…)Can it pull extraordinary faces?

Is it usually sick on a swing?

Does it spend all its time at the races,

Or fiddling with pieces of string?

Has it views of its own about money?

Does it think Patriotism enough?

Are its stories vulgar but funny?

O tell me the truth about love.

When it comes, will it come without warning,

Just as I’m picking my nose?

Will it knock on my door in the morning,

Or tread in the bus on my toes?

Will it come like a change in the weather?

Will its greeting be courteous or rough?

Will it alter my life altogether?

O tell me the truth about love.”

O Tell me the truth about love, W.H.Auden

se eu me sentasse no café com o minotauro

MOTE PARA UM BOM LIVRO, SUGESTÕES DE LEITURA

podia citar Brecht, Pessoa, Sena, Sophia ou Ana Luísa Amaral.

Mas, muito provavelmente, lembrava-me antes da dona Isabel do Caloirinho e o minotauro – o que Dürrenmatt dizia que dançava em frente aos espelhos – e eu mandávamos o país às ninfas.

“agir, fintar a besta, cumprimentar e desandar”

MOTE PARA UM BOM LIVRO

“(…)

Inventaste a chaleira-biberão,

o candeeiro-moca e um sem número

de objectos-truques, isto é, sobrevivência.

«Resistamos, depois se vê…», não é, Carlitos,

tua filosofia?

Mas resistir foi, para ti, agir,

fintar a besta, cumprimentar e desandar.

(coco e bengala, casaqueta e bota,

em Vevey já há muito que desbotam.)

– Alexandre O’Neill, Charlotarde

“Já não é o escritório de mil fichas,

nem a garagem, a universidade, o alarme,

é realmente a rua abolida, lojas repletas,

e vamos contigo arrebentar vidraças,

e vamos jogar o guarda no chão.

(…)

Colo teus pedaços. Unidade

estranha á a tua, em mundo assim pulverizado.

E nós, que a cada passo nos cobrimos

e nos despimos e nos mascaramos,

mal retemos em ti o mesmo homem

(…)

ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode caminham numa estrada de pó e esperança.”

Drummond de Andrade, Canto ao homem do povo Charlie Chaplin.

 

A Débora juntou as peças, o tema ameaçava obrigar a tirar o chapéu e eu quis pagar o bilhete para ver. Fica a certeza de que este poema de Drummond é uma das mais belas homenagens que já li.

publicidade descarada

OFICINA

Como pedir e analisar orçamentos, como escolher a gráfica certa tendo em conta qualidade, tempo e preço, como preparar o original para impressão. Estes e muitos mais truques para quem lida com a indústria gráfica num workshop que inaugura os projectos de formação da recém nascida Culture Print. Em breve, teremos mais oficinas. Sempre originais, criativas e únicas, a pensar no sector cultural.

Aqui encontram muitos mais pormenores sobre esta oficina, assim como a panóplia de serviços que a cooperativa disponibiliza. Do design gráfico à edição de livros de autor, da produção de eventos culturais ao ghostwriting, da gestão de perfis Web à revisão, tradução e impressão de textos de acordo com o novo acordo ortográfico. Mas há mais!

Falem connosco por e-mail para cultureprint@gmail.com. Encontrem-nos nas redes sociais do Facebook e do Twitter.  Sejam bem-vindos ao nosso site.

Entrem na rede da Culture Print e façam parte desta ideia!

poemas com cinema no campo alegre

APRESENTAÇÕES DE LIVROS, CINEMA

A antologia organizada por Rosa Maria Martelo, Joana Matos Frias e Luís Miguel Queirós é apresentada esta Quinta-Feira, pelas 18h30, no Teatro do Campo Alegre.

Mas as coisas boas não acabam aqui. Durante as próximas noites de Terças-Feiras Clássicas, a programação de cinema inclui um conjunto de filmes que inspiraram poemas ou são por eles citados, referenciados, parafraseados, trabalhados, traduzidos… you name it! Começa, já no lançamento, com a exibição de “cinemas”, de Fernando Lopes. É quase como criar uma extensão das aulas de Poéticas Comparadas para as noites de cinema.

abismo palavra

SEDIMENTO DE PALAVRAS

Talvez seja verdade que os poetas do futuro andem com câmaras de filmar na mão e que a poesia encontre no cinema a possibilidade de concretizar todo o potencial sugestivo das imagens criadas pela linguagem.  Mas quando lemos:

“hesito muito antes da palavra.

porque um precipício se abre nela

e não tem sentido, vibra apenas.

porque pode ser a morte

ou o nascimento para um lugar (…)”

daquele poema do Vasco Gato, sentimos-lhe o abismo, o fim do despenhadeiro na sola do pé. E o estômago treme com a vertigem.

” só lhe restam duas balas – vai perder” ou de como era o cinema na infância

SUGESTÕES DE LEITURA

A infância gosta de filmes de época.

Sobe a trote a escadaria do cinema, alado o coração,

ao encontro dos melhores espadachins,

da colérica beleza dos heróis.

O acerto da justiça, os tiros ideais,

comunicam-lhe a certeza de que o mal

está cercado no desfiladeiro:

só lhe restam duas balas – vai perder.

A pouca luz da sala determina a ilusão.

Desfeita com os risos que o cercam

à saída, quando a massa dos colegas delibera:

tu és o vilão, ficas na baliza.

José Miguel Silva, Poemas com Cinema, Assírio & Alvim 2010

se o cisne da Fiama anda por aí a debicar pálpebras,

OUTROS, SEDIMENTO DE PALAVRAS

se os gatos da Adília Lopes já não gostam de brincar com as baratas dela; se a aranha do António Franco Alexandre se passeia pela t-shirt e vai com as pulgas ao cinema;  se a menina da Sophia não é peixe e é do mar…

…afinal, quem é que manda neste zoo?